Projeto Sementinha – ano 1

logo

Galeria de Fotos

As fotos se referem a outros Projetos Sementinha em distintas localidades do Brasil pois, como o Projeto Sementinha da Chacára Santo Amaro está apenas iniciando, ainda não tem acervo próprio.

O CPCD

O CPCD é uma organização não-governamental, fundada em 1984 pelo educador e antropólogo Tião Rocha, em Belo Horizonte/MG, para atuar nas áreas de Educação Popular de Qualidade e Desenvolvimento Comunitário Sustentável, tendo a Cultura como matéria prima e instrumento de trabalho, pedagógico e institucional.

Sua missão é ser uma instituição em permanente aprendizagem nos campos da Educação e do Desenvolvimento, tendo a Cultura como matéria-prima e instrumento de ação.

Desde 1984, o CPCD se dedica à implementação e realização de projetos inovadores, programas integrados e plataformas de Transformação Social e Desenvolvimento Sustentável, destinados, preferencialmente, às comunidades e cidades brasileiras com menos de 50 mil habitantes onde vivem mais de 90% da população brasileira.

O CPCD e a Fundação ABH firmaram uma parceria para dar início ao Projeto Sementinha na Chácara Santo Amaro (distrito de Grajaú) em São Paulo.

Projeto Sementinha

Na construção de uma Comunidade Saudável sementes são jogadas em várias direções.

Num território onde moram crianças, jovens, mulheres, famílias com saberes acumulados, sonhos desejados e potências disponíveis, as possibilidades são diversas e promissoras.

Uma delas é mobilizar mães e junto com elas trabalhar com seus filhos pequenos e com o envolvimento de toda comunidade.

A partir daí o território é valorizado, memórias culturais são reavivadas, valores são reafirmados, pontes são construídas, e transformações acontecem.

O Projeto Sementinha (ou “A escola debaixo do pé-de-manga”) é uma proposta de educação pré-escolar, destinada às crianças de 04 a 05 anos, não atendidas pela rede pública e particular. Este projeto iniciou-se em 1984, em Curvelo/MG, visando atender às crianças dos bairros mais carentes. Depois foi desenvolvido em Araçuaí/MG, São Francisco/MG, Porto Seguro/BA, Santo André/SP e Pinheiro/MA e agora, Chácara Santo Amaro/SP!

As metas do projeto são:

  • criar um novo conceito de educador-e-educando;
  • construir uma prática educativa inovadora

Para isso, optou-se por desenvolver uma metodologia que:

  • privilegiasse o “diálogo” como mediador das relações entre os participantes
  • priorizasse o respeito às diferenças individuais
  • valorizasse os saberes e fazeres de cada um
  • buscasse soluções coletivas e educativas para todas as questões vivenciadas pelos participantes
  • construísse uma educação aberta, plural e democrática
  • transformasse todos os espaços ocupados em “escola” e toda “escola” em “centro da cultura comunitária”

Resumidamente o Projeto Sementinha pode ser assim definido:

  • espaço-escola é o bairro;
  • o conteúdo escolar é a cultura da comunidade;
  • os educadores são todos os que participam do processo educativo.

Depoimentos

“O Sementinha é uma escola diferente de todas as outras, é a coisa mais linda do bairro. As crianças conversam com a gente de tudo, não aprendem letras apenas, mas aprendem coisas da vida, estão crescendo as ideias. O Sementinha não é como as outras escolas onde o preto é rasgado, fica no canto e os brancos e os ricos são melhores. Aqui o sujo, o rasgado, o pretinho é abraçado, é igual.” (Maria Geralda Gomes, 44 anos, Mãe, Bairro Itasa/S.Francisco).

 

“A convivência em casa é boa e o projeto contribui para que cada vez fique melhor . Minha filha era tímida e agora está desinibida e eu passei a dar mais atenção para ela. Ela fala que a turma é unida e ela gosta de participar de tudo. Eu participo muito do projeto, dou minhas opiniões e sempre vou as reuniões”. (Maria D’ajuda Nunes, 40 anos, mãe, Bairro Gravatá II, Porto Seguro/BA).

 

“Meu filho se transformou muito, pois ele era agressivo com os irmãos e não ficava em casa. Hoje ele é calmo e até tem prazer em ensinar os irmãos o que aprende no projeto, é mais obediente e o mais importante aprendeu a tratar as pessoas com educação. Sei que no projeto as crianças têm muita oportunidade de aprender a conviver e a ser mais humanas. Eu espero que no futuro meu filho tenha mais amizade, amor e liberdade”. (Maria de Jesus Silva, 38 anos, mãe, Bairro Gravatá II, Porto Seguro/BA).

 

“Dentro dos limites e do grau de dificuldades as coisas são bem discutidas e resolvidas. Todas as alternativas são experimentadas e analisadas, buscando melhorar o nível de compreensão e melhoria de vida. As coordenadoras são incansáveis na busca de soluções aos problemas que surgem e estes, mesmo pessoais, quando expostos são objetos de discussão na busca de soluções.

O projeto trouxe inúmeras possibilidades para a equipe, que foram aproveitadas e ainda não foram esgotadas. A vontade de superar todas as barreiras surgidas faz da equipe uma fonte inesgotável de coragem.

A minha relação com as crianças é muito boa. No ponto de encontro ou em qualquer lugar, quando chego, elas correm para me abraçar. ” (Vânia Lúcia Coutinho, Coordenadora do Projeto Sementinha Porto Seguro).

 

“A influência que este projeto tem é que as crianças e a comunidade valorizam o que fazem e relacionam uma com as outras e sem contar que, o que nós fazemos é criativo e há muita preocupação em acharmos novas ideias e brincadeiras. Tudo que envolva o projeto para ficar mais interessante. Eu dou tudo de mim para surgirem novas ideias e às vezes me sinto dona do projeto porque tudo que faço por ele é em benefício de vê-lo cada vez melhor e que possa crescer.” (Elisângela dos Santos Gomes, educadora Projeto Sementinha – Porto Seguro).

 

“A beleza não é importante no nosso trabalho. O bonito é o que as pessoas tem dentro dela, a beleza interior e as boas obras. Tudo que se produz no trabalho com boa vontade e dedicação e bonito, tem que ser valorizado. O projeto trabalha o belo no que se produz usando material reciclável, fazendo coisas muito bonitas. O projeto dá ao pobre o valor que ele tem, ensinando-o a se respeitar e dando o verdadeiro valor das coisas. O projeto precisa de pessoas interessadas e capacitadas e que gostam do que fazem para ele crescer e se desenvolver cada vez mais.” (Vanderlina, educadora do Projeto sementinha – Porto Seguro).

 

“Acho que tudo que vocês fazem é importante. Esses meninos ficavam na rua soltos e agora sei que eles estão com vocês, fico despreocupado, porque sei que eles estão aprendendo muita coisa” (Onofre Batista Cruz, 56 anos, Pai, Vila Vicentina/S.Francisco).

 

“Com o tempo fomos entrando na casa de cada um, através do chá e da merenda. Todas as mães participam com muito boa vontade, conversam na roda e as crianças se sentem à vontade onde quer que estejamos” (Geane Gomes de Araújo, Educadora, Bairro Bandeirantes/S.Francisco).

 

 “A gente cresce, porque o projeto provoca a gente o tempo todo.” (Marciene Chaves Lima, Educadora, Bairro Aparecida/S.Francisco).

 

 “Meus filhos se sentem donos do projeto e ficam alegres e dizem que quando o projeto acontece é muito bom… que as coordenadoras são muito carinhosas com elas; Isso é bom porque as professoras de antigamente usavam da violência para ensinar as crianças.

Já vocês do projeto não, vocês ensinam com amor. As minhas filhas estão mudando cada vez mais, e pra melhor. E o meu sonho é fazer uma festa para as crianças do Sementinha pra agradecer tanto bem que o projeto trouxe a minha família.” (Nivaldo, 41 anos, Bairro Gravatá I, Porto Seguro/BA).

 

Os depoimentos se referem a outros Projetos Sementinha em distintas localidades do Brasil pois, como o Projeto Sementinha da Chacára Santo Amaro está apenas iniciando, ainda não há depoimentos próprios.